materias

A Cena por Elas - Trocando uma ideia com a DJ Nai Sena

Cercada por homens em sua vida pessoal, a DJ Nai Sena, mesmo sem uma representação feminina em casa para guiar seu processo de amadurecimento como mulher (perdeu sua mãe aos 7 anos), expõe que o lugar dela é onde ela quiser! Esse segundo episódio da serie, A Cena por elas - Mulheres o Hip Hop - realça a importância do papel da mulher no movimento Hip Hop com o elemento DJ. Naiane Sena, com 25 anos, moradora do Beiru no bairro de Salvador, tornou- se DJ aos 20 anos, através de uma oficina ministrada pelo DJ Jarrão. Sem intenção de seguir carreira profissional, fez o curso como um hobbie, assim como também era visto pela família que não levava muito a serio a atividade. É bastante claro que o

Ao lado de Vuto, Raro Efeito chega "Sussu" em webclipe; assista

O grupo Raro Efeito, formado por Ventura, Ícaro TK e Fiaz, acaba de lançar o seu primeiro webclipe, intitulado "Sussu". Dessa vez, o novo trabalho do grupo traz a participação de Vuto, o Lucas Januário do grupo Bonde do Descarrego, e chega criticando a segregação da cena em Salvador. Ouça o EP Cara, Vida, do grupo Raro Efeito A música tem o beat de Azn Beats - o jovem de 17 anos Artur Silveira-, e teve a mixagem e masterização por conta de Christian Dactes. O clipe Sussu foi produzido pela Base 071, e a gravação da música ficou por conta da Balostrada Records. “Queremos passar uma visão perguntando se esta realmente tudo Sussu mesmo com a sociedade” Caíque Ventura. Raro Efeito lançou no fina

A Cena por Elas - Invadindo o rolê com a grafiteira Sista Kátia

Uma mulher com tantas atividades que precisaríamos mais de tantas outras linhas deste parágrafo para dar conta de todas elas. O primeiro episódio da série “A Cena Por Elas – Mulheres do Hip Hop” é lançado hoje com Sista Kátia, ou apenas Sista, ou apenas Kátia e até mesmo SistaK. Podem escolher, caros leitorxs, a forma como querem chamá-la, afinal o que interessa mesmo é que estamos aqui hoje para destacar a sua atuação dentro do movimento do Hip Hop: O grafite. Criada no bairro de Cajazeiras, em Salvador, Kátia teve o primeiro contato com a cultura Hip Hop na sua adolescência, com o skate. Só depois, há 10 anos, começou a fazer parte do movimento através de um dos elementos básicos, que é o

Poesia Orfã: Léo Shan manda "um salve a dor" de Salvador.

Um salve a dor de Salvador. Essa é a mensagem que Léo Shan traz no lançamento do "Poesia Orfã", um projeto com um conceito diferente do que tem sido feito no cenário atual. Ele apresenta rimas, anotações e versos sem instrumental em uma gravação que pouco prioriza as imagens e o áudio. Leonardo Werner começou a rimar em 2009, mas foi em 2010 que lançou o primeiro trabalho ao lado de Diego Oliveira, no Dplaynosom. O grupo durou até 2012, quando chegou ao fim por "incompatibilidade de interesses". Leandro então decidiu dedicar seu tempo à faculdade de Propaganda e Publicidade. Os quatro anos na faculdade serviram também para estudo dentro do rap, ele continuou escrevendo e acompanhando o cenár

Das batalhas para o estúdio: Trevo lança "Escurecimento" com participação de Senpai

Quem acompanha a Batalha de Mc's São Caetano Resistência, na quadra de São Caetano às quintas-feiras, certamente já ouviu as rimas de Trevo e Senpai. Foi lá onde a parceria entre os dois nasceu, quando Trevo ainda buscava incentivo pessoal para batalhar, mas já acompanhava a sagacidade de Senpai com o microfone na mão. E como nem só de improviso vive o rap, no último dia 14 de março a cena soteropolitana conheceu mais sobre a habilidade dos dois na faixa "Escurecimento", música que tem no seu propósito a subversão das referências atribuídas ao negro na sociedade preconceituosa em que vivemos. Assinatura sagrada nas músicas da nova geração, a produção fica por conta de Christian Dactes, e o l

Chegando "Pra Somar" no cenário, Negro Réu e Sued Negro formam o Sócios Clãn; conheça

Sued Negro e Negro Réu, formam juntos o Sócios Clãn “Somos Sócios no Rap e unidos como um Clãn”, essa é a definição par ao grupo formado em 2013 por Negro Réu e Sued Negro. Eles uniram as suas caminhadas, juntaram as referências e enfrentaram as dificuldades e hoje formam o Sócios Clãn. Assista ao canal Sócios Clãn e acompanhe todos os trabalhos Residentes dos bairros de Cajazeira e Mussurunga, Samuel Araújo, o Negro Réu, e Murilo Santos, o Sued Negro, já haviam passado em grupos de rap antes de se unirem. Foi no "Delatores do Ódio" que Negro Réu começou a cantar, enquanto o sócio Sued teve seu primeiro contato com o "Saída de Emergência". Sued conta que sua inserção no cenário foi através d

Yuri Loppo lança clipe da música Gira Mundo, faixa de abertura do seu EP

O rapper Yuri Loppo lançou o EP “Minhas Lagrimas Meu Sangue” no final de 2016, mas foi nessa semana que ele jogou na cena o videoclipe da faixa “Gira Mundo”. A música, que abre as seis faixas do seu trabalho, é uma reflexão “para que as pessoas parassem para pensar um pouco mais”. Yuri Loppo, que também é responsável pela produtora COROdeRATO, realizou a festa O Fluxo para a divulgação do lançamento do clipe Gira Mundo. O evento reuniu grupos como Nova Era, Shoes Mc, Raulzito (NPSN) e Quarenta&4, na casa Lebuswski, no Rio Vermelho. Ele conta que a ideia da festa foi também dar oportunidade aos artistas de Salvador. - “Primeiro eu tinha pensado em quem eu poderia chamar para a festa ser foda

MANIFESTO em Simões Filho contra o cenário político na Cypher do Coletivo UNIKA

Um verdadeiro MANIFESTO diante da situação política da cidade de Simões Filho, junto a uma reflexão do cenário nacional. Essa é a mensagem que trazem os rappers Heetz, Karter, Santiago, MC Dyou e Zeulo, na cypher produzida pelo Heetz com o Coletivo UNIKA. "Nesse mundinho de injustiça onde cada um tem sua própria lei/ Onde vários são nada e pensam que são reis/ A rua me mostra tudo o que sou e que sei/ E que em terra de leigo quem enxerga o próximo é rei" MC Dyou A Cypher intitulada Manifesto surgiu dentro do Coletivo que também funciona como produtora em Simões Filho. Como eles mesmos descrevem, o intuito do grupo é “marcar nosso território e dizer em alto e bom som, que somos ‘muito mais qu

Apresentando as suas IDENTIDADES, Cypher reúne Urban71, Salvi e Tom VX; confira

Quatro jovens rappers da cena de Salvador mostrando as suas IDENTIDADES. Essa é a descrição da Cypher lançada nesta semana entre os MCs Salvi, Tom VX e da duo Urban71, formada por Hayre e Felipe Ballester. Com o beat e a produção musical nas mãos de Christian Dactes, do NaCalada Rec, o clipe vai para o Centro Histórico de Salvador mostrar a apresentação dos novos rappers da cena. Versificando nos estilos de cada MC, a Cypher traz letras que falam desde as suas vivências de rua, quanto visões mais críticas dos dias atuais. Essa ideia de unir vários trabalhos na mesma música surgiu nas redes sociais, quando Felipe, que projetava Urban71 com Hayre, postou no facebook a intenção da produção. Sal

Oddish lança love song para "acalmar os ânimos" após cypher violenta; assista

“Uma love song para acalmar os ânimos depois dessa cypher violenta”, assim mesmo descreveu o rapper Oddish sobre o lançamento do seu novo clipe “Azul e Cinza”, Ele faz referência a outra novidade do rapper neste mês de março, quando participou do terceiro episódio do NCLD Cypher: Bastardos Inglórios. O rapper terminou de construir o seu estúdio em junho do ano passado e desde então ele tem se “internado direto para gravar”. Ele guardou este ano de 2017 como um ano especial para se dedicar nas músicas e produções. Em cima do beat de Daniel Degraus, de Curitiba, ele traz a song love como uma forma também de mostrar suas outras facetas: “num trabalho as pessoas vão me ver ácido e visceral, no o

Vem aí: A Cena por Elas - Mulheres do Hip Hop

Série em homenagem às mulheres que seguem na luta por respeito e representatividade dentro do movimento Antes de qualquer coisa é necessário reforçar o cliché de que as mulheres merecem reconhecimento em qualquer época do ano. Mesmo assim, o dia 8 de Março remete a um marco histórico de lutas feministas que, naquele momento, reivindicaram - para não dizer que ‘tomaram de assalto’ - o direito ao voto e a inserção ao mercado de trabalho. O mês de março, portanto, traz lembranças de uma trajetória de luta e, de quebra, uma pitada de inspiração e esperança em seguir na saga para usufruir dos direitos e para ocupar os espaços. Por falar em espaços, o Rap071 preparou um conteúdo especial sobre o “

PRAZER, MC! Conheça Dimme, o jovem tímido que achou nas Batalhas o espaço para mostrar suas habilida

PRAZER, MC! –Com o Mic na mão, ele consegue mudar o seu jeito tímido e mais fechado para um cara versátil e de rápido raciocínio. Dimme encontrou nas Batalhas de Mc o espaço para mostrar as suas habilidades e se sentir incluindo dentro de uma cultura, o hip hop. - “Você poder fazer e passar alguma ideia para a galera é muito bom. Isso me fez eu ficar em conjunto, poder me encontrar em algum tipo de espaço. Porque antes era só o quarto, caneta e papel. Hoje é mais Batalha, plateia, palco e os amigos. É diferente. É isso que me faz bem”. Dentro do seu improviso e do vocabulário, Dimme também tem muita versatilidade em cima da batida, característica importante para um bom rimador. Ele já foi co

Prisão, igreja e rap: conheça a trajetória de Rabelo MC

Ele nasceu na cidade de Catu, interior da Bahia com pouco mais de 50 mil habitantes, e ouviu desde cedo as principais referências do rap através de seu pai, um admirador da musicalidade hip hop. Apesar dessa ligação dentro de casa com o ritmo, foi o pagode que chamava a sua atenção quando criança, afinal era o pagodão que tocava nas festas e nas ruas da cidade. Ele começou a ouvir rap por conta própria somente aos 14 anos, principalmente as produções de fora, como: Eminem, Dr. Dree, Snoop Dog, Chris Brown e 50 Cent. Mas, foi aos 17 anos que se aprofundou no cenário nacional, “através dos clássicos que eu acho que todo mundo começa ouvindo: Racionais, Sabotage, Facção Central, 509-E, Emicida

No terceiro episódio, NCLD Cypher reúne Oddish, 16 Beats, Morris e Ramon Kaizen; saiba mais

Bastardos Inglórios, assim se intitula o terceiro episódio da NaCalada Cypher, que foi lançado neste início de março pelo produtor Christian Dactes. Mais uma vez, o mc, produtor e beatmaker do Coletivo NCLD reúne quatro rappers do cenário soteropolitano para mandar um som pesado. Os escolhidos dessa vez foram Oddish, Morris, 16 Beats e Ramon Kaizen, que tiveram o apoio da marca Arte Bastarda. A produção geral ficou por conta do Dactes, que contou com Ramires AX na gravação e edição do clipe. Assista: - “É legal a questão de unir quatro Mc’s, com trampos diferentes, com estilos diferentes, na mesma faixa... Isso fortalece o trabalho individual de todos. Eu ouço muito trabalho e gravo muitos d

Bonde 36: DaGanja apresenta o seu terceiro EP e fala sobre caminada; assista

Aos seus 36 anos, o rapper DaGanja coleciona trabalhos, apresentações e parcerias na cena do rap Baiano. Essa caminhada resultou na criação do seu terceiro EP, que sucede o Entre Prosas e Versos (2008) e "Tá no Ar" (2013), intitulado Bonde 36. Ele, que apresentava seus shows com banca, investe na musicalidade das oito faixas que completam o trabalho. Nelas, DaGanja convida nomes como Ravi Lobo, Ras Elias, Nego Gallo, Coro Mc, Teekay Omoyele, Braulio Passos e Nilce Ramos. - "Toda a minha bagagem, a minha experiência que eu venho adquirindo no decorrer dessa minha caminhada solo de 2008 para cá, tudo posta para fora agora com meus 36 anos". O EP Bonde 36 foi produzido no decorrer do ano de 201

ANUNCIE AQUI

© 2018 - RapZeroSeteUm - Todos os direitos reservados