Mulheres e DJs, porque não? Elas explicam porquê têm conquistado cada vez mais espaço na cena

Mulheres e DJs, porque não? Elas contam as suas trajetórias, mostram que enfrentam o machismo e seguem com desejo de se expressarem através da musica. Desconstruindo a concepção de que lugar de mulher é apenas em casa cuidando dos filhos, as mulheres buscam cada vez mais mostrar seus talentos em diversas áreas e uma delas é na musica. Uma forma pela qual podem se expressar, se divertir e disseminar para as demais o poder que tem para ser e fazer o que elas quiserem. Apesar de nem sempre serem apoiadas e de ainda sofrerem preconceito, elas batem o pé firme e dão a cara a tapa para mostrar o seu valor. No Hip Hop, e principalmente no Rap, não poderia ser diferente. Em um cenário em que o sexo

Oriundos da Cidade de Plástico, grupo Nova Era é referência do rap nas periferias de Salvador

Numa comunidade com pouco mais de 260 famílias à beira da Baía de Todos os Santos, onde o serviço público parece ter virado as costas para as necessidades básicas, o rap ajuda a unir amigos e a construir um novo futuro. Foi na Cidade de Plástico, comunidade no bairro de Periperi, que surgiu em 2010 o Nova Era, um dos principais grupos de rap na cidade de Salvador. O primeiro trabalho do grupo foi a mixtape “Nem Tente Contar Com A Sorte”, lançado em 2011. Mas foi a partir do disco “Brutality” que os caras do Nova Era ganharam o subúrbio, a periferia e a cena de Salvador. Formado inicialmente por Ravi, Moreno e Morango, o grupo sofreu mudanças com a saída de Morango e a chegada de Dj Kbça. Ouç

Por que "Yan Cloud"? O músico explica a origem do nome, fala sobre EP "Alívio" e

A França tem sua importância fundamental na difusão do rap e do hip hop, por ter sido um dos primeiros e mais expressivos países a difundirem o movimento, depois dos guetos da América Central e Estados Unidos da América. O país carrega esse simbolo graças a resistência de povos negros que fizeram rimas em cima de batidas por lá, oriundos das antigas colônias da África e do Caribe. E foi dos livros franceses que Yan Soares da Silva - Yan Cloud -, uma das revelações do rap soteropolitano em 2016, tirou um elemento importante para criação da sua identidade profissional. Ele conta isso e um tanto mais na entrevista abaixo. Os principais cantores e músicos que foram referências na sua vida, o env

Cultura da batalha de Freestyle toma conta das ruas de Salvador; assista

Rapidez de raciocínio, improviso, vocabulário extenso, carisma... entrar numa roda de freestyle não é tarefa fácil, mas quem entra retorna a uma das primeiras expressões do movimento hip hop. Em Salvador, batalhas ocorrem durante o final de semana em locais públicos e nos mais diversos bairros da capital. Os eventos são organizados por grupos ou projetos, como a Batalha 3 Round, idealizada por Coscarque. A batalha de improviso se popularizou com a cultura do sound system, quando dois DJ’s disputavam nas pick-ups quem animava mais nas ruas das periferias. Eles também assumiam o papel de MC’s, e no microfone defendiam seu som, disputando para ver quem atraía mais curiosos. Para vencer uma bata

Mobbzilla foge do hospício e conquista cena com letras fortes e lírica única

Letras críticas, beats melancólicos e uma lírica única. Mobb é um artista autêntico, um poeta em uma geração que tem esquecido o real significado da palavra RAP: ritmo e poesia. Ele que é da cidade de Camaçari, mas mais parece ter fugido direto de um hospício. Hospício esse onde conheceu Baco Exu do Blues e deixou mais sujo um cenário onde o significado de “belo” precisava ser repensado. Mobbzilla levou a arte do pixo para a o seu primeiro EP “Pinturas Rupestres”. Clique e ouça. Mobbzilla, como também é conhecido, chegou com a sua língua presa gritando “DESGRAÇA!” para toda a cena. Chamou a atenção e então questionou o sistema, a sociedade e a cidade. Se os seus primeiros trabalhos começaram

Expoente do rap em Jacobina, Roger Vance conta sobre trabalho e single

Roger Vance, mais novo rapper para a cena baiana, reside atualmente em Jacobina/Ba, mas de origem de Feira de Santana. Com 19 anos e apenas um ano trabalhando em studio e compondo, ele agora tem papel importante como expoente do movimento musical de Rap lá em Jacobina. - “Tó passando um tempo aqui em Jacobina e tó 'fundando' o Rap aqui rs, não tem esse movimento aqui...” Tendo influencias musicais que saíram de casa através do seu pai, fã de rock e principalmente rock nacional, como: Engenheiros do Hawaii e Scorpions; e de rap, através do seu primo, como Marcelo D2, Racionais, Mobb, Baco, que contribuíram bastante para o seu crescimento. Apegado à família, motivo pelo qual se mudou para Jaco

Segunda edição da 999 A FESTA terá Baco, Nova Era e mais de treze atrações; saiba tudo sobre o event

A cena de Salvador terá um dia especial na próxima sexta-feira (20). A revelação do rap soteropolitano Baco Exu do Blues subirá ao palco em mais uma edição da 999 A FESTA. Se na primeira vez já foi um sucesso de público, dessa vez terá um gostinho especial: o aniversário de Diogo, o Baco. E ele não estará sozinho nessa, se ele representa a explosão do rap de Salvador na cena nacional, o grupo Nova Era subirá ao palco para mostrar que o cenário soteropolitano está vivo há muito mais tempo. Compre aqui seu ingresso O grupo formado por Ravi, Moreno e DJ Kbça é uma das quinze atrações da segunda edição da 999 A FESTA. Outro nome que promete sacudir o evento é a do pernambucano Diomedes Chinaski,

Mutirão Mete Mão leva oficinas e arte urbana para jovens de comunidades periféricas; confira agenda

Começou nesta semana, no bairro de Amaralina, o projeto Mutirão Mete Mão, que levará os elementos da cultura hip hop para cinco comunidades periféricas de Salvador até o mês de março. As ocupações oferecem arte urbana, música e oficinas gratuitas para mais de 800 jovens dos bairros selecionados. Se inscreva aqui Serão disponibilizadas duas turmas, com 20 vagas cada, para quatro oficinas: Graffiti (ministrada por Fael Primeiro), DJ (com Raiz e Leandro Vitrola), MC (com Dropê Comando Selva) e Stencil Art em camisas (orientado por Márcio MFR). As aulas começam às segundas-feiras e seguem durante toda a semana até às sextas-feiras, sempre de 8h às 12h e de 13h às 17h. Programação: Amaralina - de

Diego 157 fala sobre novo EP, processo criativo e Cidade Baixa - Confira a entrevista

O Mc e beatmaker Diego 157, cria da Cidade Baixa, especificamente da Massaranduba, e nome consagrado no rap baiano, lançou seu terceiro EP intitulado “Atemporal”. O trampo nos contempla com cinco faixas bem elaboradas, com habilidade lírica avançada e instrumentais de peso, que reforçam a versatilidade do artista e justificam o porquê do cara estar a vários anos se envolvendo com produções de rap e assinando seu nome ao lado de rappers de outros estados. “Atemporal” é um mergulho de cabeça no universo particular dos sonhos e pesadelos de Diego 157, com contornos reais de luta racial, rebeldia e resistência, experiências noturnas e barbárie que, por fim, sintetizam-se com a peculiaridade poét

Cascão nunca deveria ter saído da Turma da Mônica

Bom, primeiro deixe-me apresentar. Meu nome é Preto Du, sou um dos vocalistas e compositores da banda de rap baiana Simples Rap’ortagem, que comemora em 2017 23 anos de estrada, militância, bandeiras defendidas e levantadas e um pouquinho de música também. Preto Du, à direita, em show da Simples Rap'ortagem (Foto: Léo de Azevedo) Esses dias eu estava vendo o desfile da grife de Emicida e Fiote na passarela do São Paulo Fashion Week e pensei... Caramba, isso é uma revolução, isso é empoderamento! Pouco, diante de tudo que temos que conquistar, mas muito para o pouco que temos. Fiquei lembrando de quando o Emicida começou a fazer sucesso. De imediato achei as letras geniais e ao mesmo tempo me

N'Ativa lança clipe da música 'TRAMAS', com part. 16 Beats; assista

Trap pesado em meio a um cenário de violência. É assim que a galera do N'ativa, junto com o 16 Beats, lança o videoclipe 'TRAMAS', faixa do EP que leva o mesmo nome. Lançado nesta quinta-feira (12), o clipe foi gravado num matagal no bairro de Jardim Valéria e faz o grave explodir nas caixas de som durante os cinco minutos de vídeo. Ouça o EP 'TRAMAS' completo. Esse é mais um trabalho do grupo em parceria com 16 Beats, que tem investido na carreira de rapper além da já conhecida trajetória em batalha de freestyle. Juntos, eles formam o coletivo NaCalada, que reúne ainda uma galera de peso do rap do subúrbio de Salvador. "A gente continua tramando planos para conquistar o que a gente quiser,

ROXOGG - Aurea Maria conta um pouco sobre seu primeiro 1º EP

Vinda de Cajazeiras Xl, Aurea Maria promete representar a cena do rap feminino de salvador em grande estilo. A Integrante do coletivo NaCalada, lançará em fevereiro seu primeiro Ep solo, o “ROXOGG”, que já esta sendo bastante comentado nas redes sociais. Em conversa com o Rap071, ela contou sobre o seu contato com o Rap, o que ele representa, as suas referências e sobre a produção do seu primeiro Ep. Confira a entrevista na íntegra: Como começou o se envolver com o Rap? - Eu sempre ouvi Rap. Escrevo desde cedo... Mas o meu contato direto foi quando recebi o convite de Mirapotira para ajudar ela no palco. Fazer refrão, peso, e ela sempre me incentivou a cantar minhas letras e tal.’’ O que o R

2016: ano de confusão e crescimento no cenário nacional

2016 foi um ano confuso. Na política houve muito mais polarização, seguindo a tendência turbulenta dos últimos anos. Houve diversas tragédias a nível nacional internacional, além de um cenário instável que fragilizou as relações diplomáticas entre algumas nações. No meio de tanto motivo de preocupação, rolou um motivo para celebrar: a música independente floresceu em 2016, e o rap foi um dos gêneros que mais se movimentou, especialmente na segunda metade do ano. A música "Sulicidio" foi uma bomba de efeito moral que sacudiu a cena, desestabilizando quem se sentia confortável e dando espaço para novos nomes despontarem. Em seguida, o fenômeno dos cyphers uniu artistas que em outros contextos

Hip-Hop em debate na “Polêmicas Contemporâneas da UFBA”

A “Polêmicas Contemporâneas da UFBA” começa o ano de 2017 com o debate sobre: Hip-Hop – Um Desabafo Social. O evento acontecerá na próxima segunda feira (9), às 19h, no auditório Leopoldo Amaral, na Escola Politécnica da UFBA, Federação. O debate abordará assuntos como o papel do hip-hop no cenário cultural baiano, políticas de cultura no Estado da Bahia, a presença na mídia, os grupos e as articulações regional e nacional, e outras questões relevantes relacionadas. Cada convidado terá 10 minutos de fala, dando espaço para o debate com os presentes e internautas. Contaremos com a presença dos debatedores o DJ Branco, produtor e apresentador do programa Evolução Hip-Hop, Jorge Hilton, cientis

Daniel Ganjaman fala sobre produções baianas: "cena cultural extremamente rica"

Quando o assunto é produção musical, o nome de Daniel Ganjaman surge como um dos mais influentes no cenário do Rap Nacional. Entre os tantos discos com sua assinatura, alguns representaram uma importância imensurável para o ritmo no Brasil: ‘Rap é compromisso!’ (2001), de Sabotage; e ‘Nó na Orelha’ (2011), de Criolo. Sua carreira, que começou no Selo Instituto, reúne não só nomes do Rap, mas também de outros gêneros musicais. Neste ano de 2016, o músico, arranjador e engenheiro de som foi responsável por alguns lançamentos de destaques e também de grande importância para a cena, como o disco póstumo ao rapper Sabotage. O álbum, lançado treze anos após a sua morte, reúne 11 faixas que foram c

© 2020 - RapZeroSeteUm - Todos os direitos reservados