Grupo 'Quinta Esquina' mostra importância do movimento hip hop para a cultura do Recôncavo B



Santo Antônio de Jesus carrega um peso histórico para o estado da Bahia. A região do Recôncavo Baiano serviu de fluxo para o tráfico de escravos, principalmente durante o século 19, o que fez o município hoje ser rico em referências negras. Apesar disso, a cultura hip hop demorou para ganhar seu espaço na cidade, que sofre com o marasmo cultural e a falta de oportunidade para a cena rap.

Foi aí que, entre as esquinas de St. Antônio de Jesus, jovens movimentados pela necessidade de novos espaços culturais criaram o coletivo Quinta Esquina, em 2015. Hoje eles se tornaram um grupo, formado por Val, Bardo, DaReal e Roocki, além da participação do DJ Rafiusk, que participa do coletivo de discotecagem Zumbeat. Eles conseguiram organizar no ano de 2016 quatro eventos mensais nas ruas da cidade, chamado de "Som da Rua".

Assista como foram as últimas edições da festa "Som da Rua".

- "Com isso encontramos outros grupos da cidade que também estavam se organizando, como o coletivo ZumBeat. E a partir desses encontros começamos a fazer as atividades afim de criar o novo espaço e de criar um intercâmbio cultural. Da gente poder levar a galera de Salvador, de outros lugadores do Recôncavo, de Cachoeira, de Cruz das Almas", conta o rapper Val.


Mas movimentar uma cena de rap não é nem um pouco fácil, seja nos corres para conseguir espaço e shows ou como para gravar músicas em estúdios. Val conta que os lugares para gravação na cidade não davam oportunidade e nem tinham atenção para grupos de rap. Ele precisou vender a sua moto para comprar alguns equipamentos e construir seu próprio home stúdio, onde foi gravado o primeiro EP do Quinta Esquina, intitulado "Radio Atividade".

Ouça o EP "Radio Atividade", do grupo Quinta Esquina.

O trabalho foi lançado no final de 2016 e contou a participação de rappers de outras regiões do estado, como Baco Exu do Blues (D.D.H), Saca Só, Morris, Davzera e Família M2. Eles lançaram também todas músicas da EP em lyric vídeo no youtube, que você pode acompanhar no canal da Quinta Esquina. Agora o grupo criou a MalocaProduções, que já vem produzindo clipes no cenário do Recôncavo, além de seguir realizando organizações de eventos na cidade.

- "A gente começou a se reunir em uma esquina da cidade por falta de uma pista de skate, por esse marasmo cultural a gente começou a se reunir nesse pico e começamos a pensar em fazer um coletivo na visão de diminuir a dificuldade da gente criar um espaço de apresentações".

O grupo esteve na ilha de Morro de São Paulo durante o "HipHop In Paradise", evento que reuniu grupos de rap de outra região do estado, como Salvador, Valença e Ituberá. Eles falaram sobre a dificuldade em movimentar a cena e conseguir e de juntar a cultura hip hop de vários lugares e regiões. "A galera tá fomentando uma parada que só vai render grupos lá na frente. Nada é em vão no movimento e esse fortalecimento é importante demais que todos colem, mostrem seu som e mostrem suas ideias", disse Val.

Se o movimento Hip Hop é formado por cinco elementos - o quinto sendo o Conhecimento -, o grupo Quinta Esquina segue fazendo a militância pela conquista de espaço culturais e fortalecer a cultura no Recôncavo Baiano. Eles saíram de St. Antônio de Jesus para mostrar que o hip hop não está presente apenas na capital, em Morro de S. Paulo ou fora do estado, mas que também pode estar alí, na quinta esquina.

Assista como foi a festa "Hip Hop in Paradise", em Morro de São Paulo:



© 2018 - RapZeroSeteUm - Todos os direitos reservados