Chegando "Pra Somar" no cenário, Negro Réu e Sued Negro formam o Sócios Clãn; conheça



Sued Negro e Negro Réu, formam juntos o Sócios Clãn

“Somos Sócios no Rap e unidos como um Clãn”, essa é a definição par ao grupo formado em 2013 por Negro Réu e Sued Negro. Eles uniram as suas caminhadas, juntaram as referências e enfrentaram as dificuldades e hoje formam o Sócios Clãn.

Assista ao canal Sócios Clãn e acompanhe todos os trabalhos

Residentes dos bairros de Cajazeira e Mussurunga, Samuel Araújo, o Negro Réu, e Murilo Santos, o Sued Negro, já haviam passado em grupos de rap antes de se unirem. Foi no "Delatores do Ódio" que Negro Réu começou a cantar, enquanto o sócio Sued teve seu primeiro contato com o "Saída de Emergência".


Sued conta que sua inserção no cenário foi através de amizades que também curtiam o estilo, inclusive o seu primeiro show antes de formar o grupo foi com o próprio Réu. “Eu descobri o gosto pela música em 2009, num freestyle com mais cinco amigos. E ai fui percebendo que eu tinha facilidade para rimar. Então eu decidi criar um grupo de rap e coloquei o nome de ”Sued Negro”, e era formado por eu (MC Murilo) e meu parceiro MC 2B.

Já Negro Reu começou no rap através das batalhas de Mc’s e eventos de rap, com isso foi conhecendo mais o sobre o movimento e como as coisas funcionavam. "Meu primeiro contato com o rap foi aos sete anos, quando eu assistia um clipe do Marcelo D2 com o filho dele (Loadeando). Ai bateu interesse por esse estilo musical, pois vê toda aquela vibe de rap com todos os elementos da cultura hip hop numa música, eu fiquei assim: 'Caraaaa é isso que eu gosto!'”.

A música "Pra Somar" é o carro chefe atual, e segundo eles que não pode faltar em nenhuma apresentação, ela virou um hino: "o público realmente entra na vibe da música, se deixa levar e chegam realmente 'Pra Somar'".


Eles contam que o nome "Sócios Clãn" foi escolhido na intenção de descrever a caminhada no Rap, onde desde sempre encararam como trabalho, buscando sempre o aprimoramento e o profissionalismo. “Sócios”, pois agem como uma sociedade para que seus planos no meio musical se realizem e “Clãn” para descrever a união em busca do mesmo sonho.

Como na rua nada na vida é fácil, eles contam que enfrentaram muitos obstáculos na trajetória que já chega aos quatro anos. Dos mais complicados, como o de estrutura, até uma não aceitação de artistas do meio da cena e do próprio público, já que sempre buscaram passar ideias em cima de beats diferenciados como o trap.

ENCHE MEU COPO não é uma música sobre bebidas e festas é uma filosofia de

vida”


O grupo conta que sempre tocou o estilo trap, mas que há dois anos atrás não havia essa aceitação do público. Eles se tornaram alvo de críticas que funcionaram como incentivo para que continuassem mesmo assim fazendo o som. Já nas referências, eles citam Tupac (EUA), Notorious Big (EUA), Lil Wayne (EUA), Nga (Portugal) e Eduardo, ex integrante do Grupo Facção Central (BRA).


© 2018 - RapZeroSeteUm - Todos os direitos reservados